Por Guilherme Rosa

18/08/2017

NETCOM 2017: A transformação da internet na construção de redes

A internet nasceu como uma tecnologia militar, disponibilizada ao público nos anos 1990. Essa história você já conhece. Mas esse foi apenas o começo dessa onda que revolucionou e continua alterando a maneira como nos relacionamos com diversos produtos e serviços. Marcelo de Toledo, professor na Lan University, puxou toda a história da rede na NETCOM 2017 para apresentar o cenário atual e como ele deve se desenvolver nos próximos anos. A palestra “Tecnologia de redes, convergência, evolução e desafios” mostrou como um projeto dos anos 1970 ainda dita tendências nas engenharias de rede atual.

“Quando conceberam a ARPANET eles já desenharam a rede para que houvesse mais de um caminho para passar a informação. Hoje, isso é coisa básica em qualquer estrutura que se monte. Mas, naquela época, foi revolucionário”, conta Toledo.

Ele ainda destacou as mudanças que houveram em nosso cotidiano com a popularização da rede. “A internet mudou a forma como vemos TV, ouvimos rádio, falamos ao telefone, e vamos ao banco. Pense em como você fazia as coisas quando não tinha acesso fácil à internet e como elas são hoje. Levamos um computador melhor que o de 10 anos atrás nos nossos bolsos”, explica.

 

Futuro da telefonia com o IPv6

Enquanto a televisão levou cinco anos para chegar a 50 mil usuários, o aplicativo Angry Birds demorou menos de um mês. Essa velocidade também atinge outros mercados, como o de Telefonia. “Em alguns países, a telefonia analógica não existe mais. Aqui no Brasil, grandes cidades já vivem essa realidade também. A tendência é que todos os serviços de comunicação migrarão para apenas um padrão”, conta o professor.

O IPv6 é apontado como esse padrão do futuro. Com capacidade para tratar diferentes protocolos, esse protocolo seria responsável por uma “nova internet”, diferente da que temos agora, mas ainda com os mesmos princípios. “Os grandes desafios estão na capacidade de transmissão e armazenamento de dados e em questões legais”, completa.

Marcelo de Toledo enxerga ainda bastante mercado no Brasil para quem depende da estrutura da telefonia analógica. “Existem fabricantes que ainda se mantém nesse mercado por conta de compradores brasileiros”. Por outro lado, ele ressalta a importância da modernização: “Ao mesmo tempo, a infraestrutura de telefonia precisa ser migrada para a tecnologia IP, para trazer mais qualidade ao serviço”.

 

Confira o que de melhor aconteceu nos três dias da NETCOM aqui no blog da Khomp.

 

Facebook Twitter Linkedin

De acordo com nossa política de privacidade, nós utilizamos cookies para garantir que você sempre tenha a melhor experiência ao visitar nosso website. Saiba mais